Budapeste – A Paris do Leste

A capital da Hungria é parada obrigatória para quem enseja fazer uma viagem ao leste Europeu, haja visto a suntuosidade e a elegância de seus palácios e edifícios, fazendo jus ao apelido de ser a Paris do Leste. Budapeste rivalizou com Viena durante os áureos anos do Império Austro-Húngaro, como capital do império durante os anos da dinastia Habsburgo nos séculos XVIII e XIX.

IMG_4066

Durante os anos da guerra fria no século XX a Hungria foi anexada a antiga União Soviética, de modo que ainda é possível ver o ranço comunista/soviético na cidade em alguns monumentos da cidade. A Hungria faz parte da União Européia, porém ainda não adotou o euro como moeda, de modo que a moeda local é o florin húngaro. A língua falada é o húngaro, indecifrável para nós, e as vezes, para os próprios húngaros. É possível se virar bem com o inglês, e a maior parte dos restaurantes possui cardápios em inglês. A cidade é dividida basicamente em duas partes, cortada pelo rio Danúbio: a parte mais alta e aristocrática, chamada Buda, e parte mais plana e central, chamada Peste. De modo que vamos dividir o post em duas partes conforme as atrações turísticas nas duas áreas.

IMG_4068

Buda e Bairro do Castelo

A região medieval de Buda é tombada pela UNESCO como patrimônio da humanidade, e foi construída em volta de um antigo Castelo no século XIII pelo rei Béla IV, a cerca de 170 metros do rio Danúbio, de modo a proteger-se de ataques dos invasores. No século XVI a cidade foi conquistada pelos turcos, que praticamente a saquearam e arrasaram, tendo sido retomada pelos cristãos no século XVIII pelo império austro-húngaro, que a reconstruiu e tornou-a imperial.

IMG_1327

O acesso a Buda, para quem vem de Peste é feito por uma espécie de Funiculá, um trenzinho que sobe a montanha.

IMG_1137

As principais atrações são:

Palácio Real

O palácio real, também chamado Castelo, é um conjunto de construções que remontam desde a fundação da cidade, em 1255, depois recuperado pelo rei Matias I em 1458. A maior parte das construções foram realizadas pelo dinastia dos Habsburgos, no século XVIII, pela imperatriz Maria Tereza.

IMG_1182

Abriga a Galeria Nacional Húngara e o palácio Sándor, atual palácio presidencial.

Galeria Nacional Húngara

É o museu mais importante da Hungria, sendo instalado dentro do Palácio Real desde 1975. Destaque para as obras de Art Nouveau Húngara (Secessão), importante movimento do século XIX e XX.

IMG_1196

Destaque para as obras de Mihály Munkácsy, maior artista húngaro, nascido no século XIX, que se mudou para Paris aos 25 anos, falecendo na capital Francesa em 1900, aos 55 anos. Além disso, a pintura “Mulher ao banho” de Károly Lotz, especialista em nudes, impressiona pelo realismo. Lotz também é conhecido por ter pintado os murais instalados no Parlamento.

IMG_3929

Palácio Sándor

Construído em 1806, durante o império Austr0-húngaro, esse palácio atualmente funciona com sede do governo presidencial da Hungria. Não pode ser visitado internamente, mas faz parte do complexo do Castelo, podendo ser admirado por fora.

IMG_3930

Igreja de São Matias

Essa igreja possui uma variedade de estilos arquitetônicos que se combinam a sua turbulenta história. Construída no fim do século XI, foi destruída em 1241 e reerguida em 1255 por Béla IV. No século XV foi ampliada pelo rei Matias Corvino, rei que dá nome a igreja. Ele é considerado o maior dos reis húngaros, embora tenha nascido em Cluj-Napoca, na Transilvânia. Foi coroado aos 15 anos, quando convocou escritores, pensadores, músicos e artistas para fazerem parte de sua corte. As primeiras prensas e biblioteca do país foram criadas sob seu reinado. A igreja apresenta alguns elementos da cultura árabe, provenientes da ocupação turca durante os séculos XVI e XVII.

IMG_3927

O magnífico telhado multicolorido foi adicionado entre 1950-1970. A estrutura original foi bombardeada pelos soviéticos, ainda no fim da segunda guerra mundial. O interior da igreja é magnífico, com destaque para os vitrais e a torre Béla, erguida em homenagem ao rei Béla IV, mantendo os elementos góticos originais.

Destaque para o túmulo do rei Béla III e sua primeira esposa Ana de Châtillon.

IMG_1234

A Capela de Loreto e Madona Barroca

Segundo a lenda, em 1686 a Madona apareceu diante dos turcos, que consideraram a visão um anúncio da derrota. As tropas de Habsburgo tomaram o castelo na mesma noite. Nessa Igreja eram coroados os Reis Húngaros.

O altar em estilo gótico exibe uma réplica da Santa Coroa Húngara instalada sobre a cabeça da Virgem Maria. Foi dedicado a Nossa Senhora e projetado por Frigyes Schulek em 1893.

Aberta das 9h-17h seg-sex, 9h-13h sáb, 13h-17h aos domingos. A porta da igreja conta com o programa de concertos de música clássica realizados no interior da igreja.

Bastião dos Pescadores

É um dos pontos mais visitados em Buda, fica ao lado da Igreja de São Matias. Esse monumento se refere as 7 tribos magiares que fundaram a Hungria no século IX. Os magiares eram grupos étnicos, vindos dos Montes Urais, que se estabeleceram na Bacia dos Cárpatos no século IX. Eles se juntaram e formaram a Hungria. “Magiar” (ou “Magyar“) é sinônimo de “Hungaro”, mas as expressões são utilizadas para diferenciar os cidadãos húngaros dos membros e descendentes dessas tribos. Ou seja, todo Magyar é húngaro, mas nem todo húngaro é Magyar.

O monumento foi inaugurado em 1895, projetado por Frigyes Schulek.

IMG_3926

A vista de lá de cima rende belíssimas fotos do rio Danúbio e de Peste.

IMG_3922

 

Úri Utca

Essa é a principal rua de Buda, que acompanha toda a colina do castelo e arredores. Chamada “Rua dos Senhores”, garante um visual medieval. Embora a maior parte das casas seja dos anos 1950 e 1960.

IMG_3925

Há várias lojas de souvenirs, incluindo as famosas bonecas de porcelana, típicas da Hungria. Uma boa lembrança para se trazer do artesanato típico da região.

IMG_3924

Uma boa dica para o almoçar é o Café Miro Vár.

Igreja de Santa Maria Madalena

Essa Igreja foi construída no século XIII para uso dos cidadãos húngaros mais humildes, que eram proibidos de frequentar a Igreja de São Matias. A Igreja foi toda bombardeada na segunda guerra mundial, restando apenas escombros, como a torre e o portão. Uma lembrança viva da tragédia que foi a segunda guerra.

Peste

Também chamada de Belváros, ou “cidade interna”. Perto dali há também a área do Parlamento, com amplas avenidas e construções que remontam a época do Império, como a Basílica Santo Estevão e o edifício da Ópera.

Parlamento

Clássico Edifício construído em 1902 para abrigar o parlamento Húngaro. Projetado por Imre Steindl, que se inspirou no parlamento londrino. Instalado na borda do Danúbio, pode ser apreciado de longe, inclusive da parte alta da cidade.

IMG_4067

O Parlamento é aberto a visitação com tours em inglês. Imperdível conhecer a Sala do Domo, coração do Parlamento, ambiente que homenageia os 16 reis húngaros, em cada um dos pilares que sustentam a cúpula exibe a estátua de um monarca.

IMG_1537

Existem tours diários em inglês as 10h, 12hs e 14hs. A bilheteria é aberta das 8hs – 18hs seg-sex, 8hs-16hs sáb. Domingo 8hs-14hs. Para saber mais acesse www.parlament.hu.

Basílica de São Estevão

Construída em homenagem a São Estevão, rei István, que foi coroado pelo papa, por ter sido o primeiro magiar a adotar a religião cristã. São Estevão foi responsável por consolidar a dinastia Árpád, que durou mais de 300 anos. A basílica foi erguida entre 1851 e 1905, tendo a forma de uma cruz grega.

IMG_3920

O interior da igreja é impressiona pela magnificência, conta com um Domo e mosaicos projetados por Miklós Ybl, e mosaicos desenhados por Lotz. A inscrição da entrada principal “Eu sou o caminho, a verdade e a vida”, é adornada com diversas estátuas de santos húngaros, que homenageiam Nossa Senhora e o Menino Jesus.

Entre os tesouros da basílica, há um que é pitoresco em si. Trata-se da Capela da Sagrada Mão direita, que abriga um braço mumificado de São Estevão, perto do altar-mor. A relíquia foi levada a Dubrovnik, na Croácia, no século XIII, por Béla IV, para protegê-la da invasão dos tártaros e turcos. Trafegou por Viena e pelo Palácio Real, em Buda, até instalar-se na basílica em 1945. Todos os anos, no dia dedicado ao Santo (2o de agosto), fiéis se reúnem em frente a basílica e carregam em procissão a Sagrada Mão Direita.

IMG_1044

A basílica é aberta diariamente das 9hs-17hs seg-sex; sáb 9hs-13hs; domingo 13hs-17hs. Imperdível conhecê-la!!!!

Váci Utca

Essa rua é considerada a mais característica de Budapeste. É dividida em duas partes, a parte sul dedicada a lojas e a parte norte ocupada por bares e restaurantes. Essa rua é praticamente fechada a carros, sendo praticamente uma área pedonal.

O nome dessa famosa rua tem origem simples: no passado, ela era a única conexão entre Peste e a cidade de Vác, 40km ao norte da capital húngara. Nessa rua encontra-se a confeitaria mais famosa de Budapeste, a Gerbeaud Cukrászda, em atividade desde 1858. O final da rua vai desembocar no famoso Mercado Central.

Mercado Central

Localizado no final da Váci Utca, esse mercado é o maior de Budapeste. Acomoda bancas de frutas, peixes e queijos. Entre as especialidades Húngaras destaca-se o kolbász, salame picante, e o queijo de ovelha. O mercado conta também com especialidades do artesanato húngaro, entre elas as bonecas de porcelana.

Termas e Hotel Gellért

Uma vez em Budapeste, que tal fazer como os húngaros fazem?? E nada mais típico do que frequentar as Termas húngaras. E para isso, o melhor local para se conhecer uma típica Terma húngara é o Hotel Gellért. A terma de Gellért possui águas terapêuticas que são oriundas do Monte Gellért. O hotel foi fundado entre 1912-1918, e é um exemplo da arquitetura secessionista húngara.

IMG_3947

A fachada em estilo secessionista reflete a autoconfiança pelo qual passava o povo húngaro na época, com o fim do Império Austro-Húngaro, e a independência da Hungria. O Hotel todo tem o estilo neoclássico, com tapetes pomposos e estátuas imponentes. Pode-se passar o dia nas termas, sem ser necessário hospedar-se no hotel. O espaço conta com as termas e piscina internas, e também piscinas externas para os dias mais quentes. As termas remontam da época da dominação Otomana, que identificou o potencial de 120 fontes de águas termais em toda cidade.

IMG_3948

As termas ficam abertas diariamente de seg-sex e sáb e dom, das 6h-20hs. O hotel conta com estruturas e armários para guardar roupas e pertences pessoais. Para mais informações, visite o site www.budapestspas.hu.

IMG_4062

Danube Promenade

Esse monumento localiza-se a cerca de 300 metros a pé do Parlamento e é uma homenagem aos judeus mortos durante a noite de 8 de janeiro de 1945 pela brigada fascista húngara chamada Arrow Cross. Cerca de 250 pessoas foram assassinadas nas bordas do Danúbio com execução sumária, um tiro na nuca. O monumento foi inaugurado em 2005, como “Pares de Sapato nas margens do Danúbio”. Nessa noite o Danúbio Azul tornou-se vermelho.

IMG_3945

Ópera

Construção típica do período imperial. A ópera foi construída em 1884, pelo arquiteto Miklós Ybl, e é uma obra-prima neorrenascentista, e já teve importantes diretores regentes, tais quais o compositor Gustav Mahler e Otto Kemplerer.

IMG_0987

A fachada possui colunas, balcões e galerias. A entrada principal conta com pinturas no teto, coberta de murais, e nos transporta para as noites de gala do século XIX.

IMG_0985

Os dois grandes compositores húngaros são homenageados com estátuas, bem próximas a fachada, Liszt e Erkel guardam a entrada da ópera.

IMG_1418

O interior do átrio conta com pinturas de Bertalan Székely e Mór Than, que cobrem todo o teto e retratam as nove musas e outras cenas alegóricas. Sobre a Platéia um candelabro de 2700kg, feito em Mainz, ilumina um afresco de deuses gregos do Olimpo de Lotz.

Assistir uma ópera nessa bela casa é um espetáculo a parte. Para informações sobre ingressos e horários de funcionamento da casa acesse o site www.opera.hu.

Ponte das Correntes

Essa belíssima ponte foi concluída em 1849, com o objetivo de unir Peste a Buda, sendo a primeira travessia entre essas duas partes da cidade. É um dos monumentos mais importantes da cidade, sendo a ponte mais bonita sobre o rio Danúbio.

IMG_3923

Nas pontas erguem-se duas torres enormes, apoio para as imensas correntes que dão nome a construção. A noite, a procura é pelo melhor ângulo para fotografar esse magnífico monumento. Aonde quer se vá no Danúbio a noite, há turistas para todos os lados, tentando achar o melhor momento para imortalizar essa ponte.

IMG_4065

Budapeste é linda! Não a toa o apelido de pérola do Danúbio!!

IMG_1997

Devido a infinidade de atrações dessa bela cidade, resolvemos dividi-la em dois posts!

Carpe Diem!!!!

Advertisements

One thought on “Budapeste – A Paris do Leste

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s